Entre rotinas de estudo, trabalhos e treinos, atleta de Muay Thai de PG luta para se destacar no esporte e na educação

Eduardo é atualmente detentor de dois cinturões; no estudo, será um dos primeiros da família a se formar no ensino superior

O que começou como uma atividade de lazer e por pura curiosidade, o Muay Thai, hoje, tem se tornado algo sério e vencedor para Eduardo Vinícius de Carvalho, acadêmico do 6º período do curso de Administração da UniSecal. Com cinco lutas válidas, cinco vitórias e dois cinturões, o atleta vem se destacando no cenário ponta-grossense e almeja novos títulos para sua carreira esportiva. Além disso, o também estudante não pensa em largar mão da faculdade. Muito pelo contrário. Com a nova parceria da UniSecal, ele quer crescer cada vez mais. “Eu sempre tive o foco de crescer na vida. Venho de uma família humilde e serei um dos primeiros a me formar no ensino superior. Sempre procuro evoluir, dar o meu máximo e ser o melhor”.

Confira a entrevista com o atleta e aluno da UniSecal que busca, além de uma formação superior, uma carreira de sucesso em seu esporte preferido. Atualmente ele é detentor do cinturão da Copa Alexandre Urso e campeão do Campeonato Paranaense 2018, categoria 70 kg.

UniSecal: Eduardo, como foi que você começou a praticar o Muay Thai?

Eduardo: Eu fazia musculação e, por curiosidade mesmo, vi a “rapaziada” treinando e decidi começar o Muay Thai. Comecei e um dos professores, Cleverson, que hoje é meu amigo, me achou um diferencial dos demais. E nessa, ele iniciou a me treinar particularmente. Após muito treino, surgiu a curiosidade em lutar. Iniciei em eventos internos da academia e na primeira luta ganhei. Com o passar do tempo ele me disse – Opa, já que nos internos está indo bem, vamos tentar os eventos externos, de proporção maior. Em seguida, fiz minha primeira luta na Copa Alexandre Urso.

U: Desde então, como tem sido a sua curta carreira no Muay Thai?

E: Na primeira luta da Copa Alexandre Urso entrei como zebra e acabei ganhando por decisão unânime. Após isso, no Circuito Guerreiros de Aço, que também tem uma grande proporção aqui em Ponta Grossa (PR), fiz uma luta e venci no 2º round por desistência do meu oponente. Assim, no ano passado, veio o Campeonato Paranaense. O pessoal achou que dava para tentar. Treinei muito mesmo e, após três lutas, três vitórias. E foi assim que conquistei o meu primeiro cinturão, no Campeonato Paranaense, categoria 70 kg.

U: Você conquistou mais um cinturão recentemente, correto?

E: Sim. Agora, 23 de março, tinha o detentor do cinturão, aqui em Ponta Grossa, e ele estava com ele há uns dois ou três anos. Foi quando surgiu a oportunidade e consegui vencer meu oponente por decisão unânime, na Copa Alexandre Urso. Ele tinha um número bem maior de lutas do que eu. E assim, conquistei o meu segundo cinturão.

U: E como funciona a Copa Alexandre Urso?

E: É montado o card e são de 12 a 15 lutas. Dentro delas têm a disputa de categoria de 60 kg (cinturão) e 70 kg (cinturão). Fora isso, são lutas normais, só “lutando por lutar”. Para você disputar o cinturão, você já precisa ter uma invencibilidade. Não adianta só chegar e falar que quer disputar o cinturão.

U: Qual é a dificuldade de seguir nessa carreira esportiva?

E: Então, para mim é… Faço estágio na Prefeitura, treino à tarde, estudo e trabalho à noite também. Hoje, graças a Deus, conversei com o meu chefe e consegui reduzir um pouco a minha carga horária. O meu maior problema é o sono, mas, quando nós temos um objetivo e a vontade de conquistar algo, nós corremos atrás.

U: Você tem alguma inspiração?

E: Tenho sim. Buakaw Banchamek e Saenchai, ambos da Tailândia. Porque eles lutam da maneira que eu procuro lutar, que é o Muay Thai tradicional. Além disso, o Saenchai luta de uma maneira alegre, é extrovertido durante a luta. Isso desestabiliza o adversário. Já o Buakaw pela explosão dele. Defino o meu Muay Thai como caçar. Eu não paro e vou para cima, independente da situação.

U: Começou com uma brincadeira o Muay Thai e hoje você está levando para algo mais sério. Queria saber, quando foi que você chegou e falou “Também vou investir no meu estudo”?

E: Eu sempre tive o foco de crescer na vida. Venho de uma família humilde e serei um dos primeiros a me formar no ensino superior. Sempre procuro evoluir, dar o meu máximo e ser o melhor.

U: E quando surgiu a parceria com a UniSecal?

E: Estudo com o Cícero, do Novo Basquete Ponta Grossa (equipe parceira da UniSecal). Estava contando para ele das lutas e ele me falou – Acredito que isto (parceria) possa te ajudar. Assim, ele falou com a Rúbia (Pró-Reitora Acadêmico-Pedagógica) e por meio de conversas conseguimos essa parceria de bolsa de estudo. Também, o nosso esporte, comparado com o futebol, vôlei, entre outros, é pouco divulgado. Mostrar também que este esporte não é uma brincadeira e que tem proporções grandes também.

U: Para você, qual a importância de unir esporte e educação?

E: Disciplina, principalmente, para as lutas, treinos e também dentro da faculdade. Além disso, agora com essa parceria, ser enxergado com outros olhos e mostrar um pouco mais sobre este esporte.

U: O que você almeja para a carreira esportiva e acadêmica?

E: No Muay Thai, em curto prazo, é vencer o Sul-Brasileiro, que é mais um cinturão, e vencer o Paranaense 2019 na categoria a qual ganhei no ano passado. Já para o acadêmico, me formar e, logo em seguida, engatilhar uma pós-graduação ou, ainda, fazer Direito. É um curso que tenho vontade de fazer também.

U: Você tem outros parceiros?

E: Essa empresa a qual trabalho à noite me ajuda com alguns custos e também um amigo meu. Material esportivo é tudo por minha conta. Não tenho nenhum apoio nesta parte. E meus treinamentos são na academia CT 33, na Avenida Monteiro Lobato.

U: E para finalizar, que recado você tem para deixar para as pessoas que também pensam em fazer algum esporte, estudar ou os dois ao mesmo tempo?

E: Ir à busca dos seus sonhos e objetivos não é fácil, mas você se dedicar e se esforçar, o êxito vem. Correr atrás de seu sonho, buscar, mostrar interesse, que toda sua batalha será recompensada.

Contato

Para entrar em contato com o atleta e aluno da UniSecal, basta enviar um e-mail para eduviniciusdecarvalho25@gmail.com. Também há a rede social de Eduardo, a qual tem outros detalhes sobre sua vida esportiva dentro do Muay Thai.

UniSecal é parceira do esporte de PG

O Centro Universitário Santa Amélia (UniSecal) é parceiro das equipes masculina e feminina do NPBG e do Pyl FC. A instituição disponibiliza bolsas de estudo para os(as) atletas. Além disso, o atleta de Muay Thai da cidade, Eduardo Vinicius de Carvalho, também recebe bolsa de estudo da UniSecal.



1
Olá 👋
Podemos te ajudar?
Powered by