II Fórum de JR: palestra de Juíza atrai diversas pessoas para o Cine Teatro Pax

Josineide destacou algumas práticas da Justiça Restaurativa que são realizadas em Santarém (PA) e explicou como essas metodologias são recebidas pelo judiciário e comunidade local

Na última segunda-feira, 9 de setembro, iniciou, por meio do Centro Universitário Santa Amélia (UniSecal), o ‘II Fórum de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos e Direitos Humanos’. Com um auditório repleto de pesquisadores, professores e acadêmicos de Ponta Grossa (PR) e de outros Estados brasileiros, o Cine Teatro Pax recebeu a palestra da Juíza de Direito do Trabalho do Estado do Pará (TJPA), titular da 5ª Vara Cível e Empresarial/Infância, Juventude e Interditos e coordenadora do CEJUSC Comarca de Santarém, Ma. Josineide Gadelha Pamplona Medeiros. A atividade inaugural teve como tema a ‘Justiça Restaurativa enquanto mudança de paradigma e suas implicações para as políticas públicas’.

Também estiveram no evento algumas autoridades como a coordenadora do curso de Direito da UniSecal, Ma. Renata Young Blood, Juíza de Direito da 1ª Vara Criminal de Ponta Grossa e coordenadora do CEJUSC-PG, Dra. Laryssa Angélica Copack Muniz, presidente do Instituto Mundo Melhor (IMM), Cirlei Simão Pauliki, professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PPGCSA-UEPG), Dra. Jussara Ayres Bourguignon, e a pesquisadora internacional, Dra. Petronella Maria Boonen.

PG é referência nacional

Há quase dez anos estudando a Justiça Restaurativa, Josineide destacou algumas práticas que são realizadas em Santarém (PA), além de como essas metodologias consensuais de solução de conflitos e direitos humanos são recebidas pelo judiciário e comunidade local. Mesmo com os exemplos de sucesso apresentados da região Norte do Brasil, a Juíza reforçou a importância de Ponta Grossa para o cenário da JR.

Segundo ela, o município ponta-grossense é referência nacional e conhecido internacionalmente por conta das práticas restaurativas.

“Nós percebemos que as experiências desenvolvidas em Ponta Grossa são positivas, muito pela união entre o judiciário e às instituições de ensino. Há uma consistência teórica que faz com que essas práticas tenham um ganho para os envolvidos, comunidade e para o próprio desenvolvimento do conhecimento”, explica a mestra em Direito.

Importância social

Com o objetivo de divulgar e aprofundar conhecimentos sobre os métodos consensuais de solução de conflitos e direitos humanos, a UniSecal trouxe para o ‘Fórum’ palestras, apresentações de trabalhos e oficinas, todas com o intuito de entender melhor essas práticas e, por meio dessa reflexão, contribuir com o desenvolvimento da comunidade e da JR.

Desta forma, a Juíza do Pará destaca a importância social do evento, visto que o mesmo atinge diversas áreas da sociedade.

“Um evento dessa natureza, e com o número de pessoas que participaram aqui hoje (9), torna evidente que a Justiça Restaurativa não é algo isolado. E sim, é um movimento que envolve várias pessoas, instituições e, ao unir o conhecimento dessas áreas, fortalece esse grupo, permitindo a troca de experiências e o enriquecimento mútuo da comunidade”, esclarece Medeiros.

Participação no evento

Santarém fica aproximadamente 3.350 Km de Ponta Grossa. Um voo de avião entre os municípios, por exemplo, tem a duração de mais de 10h.

Apesar da longa distância de viagem, Josineide descarta qualquer tipo de cansaço e enfatiza a honra em estar participando do evento. “Receber o convite para compartilhar experiências de Santarém aqui em Ponta Grossa, uma cidade referência em JR, é um reconhecimento. Isso mostra que o Estado do Paraná se preocupa com esta diversidade de aplicações e campos da Justiça Restaurativa, não ficando apenas no eixo Sul-Sudeste, mas, também, com outras experiências e práticas bem-sucedidas dos irmãos do Norte e Nordeste, por exemplo”, finaliza Josineide.

‘II Fórum de JR’

O evento segue nesta terça-feira, 10 de setembro, com a palestra da Dra. Petronella Maria Boonen e as apresentações de trabalhos e oficinas. O ‘II Fórum de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos e Direitos Humanos’ é realizado pela UniSecal, em parceria com o Centro Judiciário de Soluções De Conflitos E Cidadania (CEJUSC-PG), Instituto Mundo Melhor (IMM) e Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PPGCSA-UEPG).

Outras informações no site do centro universitário ou no telefone da Central de Relacionamento da instituição: (42) 3220-6700. O número é o mesmo para ligações ou mensagens via WhatsApp.

 

 

Conteúdo relacionado:

Oficinas de ‘Fórum’ trazem assistentes sociais, fisioterapeuta e psicólogos a UniSecal

UniSecal e CEJUSC firmam parceria para atendimento gratuito a comunidade

UniSecal realiza ‘II Fórum de Justiça Restaurativa e Direitos Humanos’ em setembro



1
Olá 👋
Podemos te ajudar?
Powered by